13 abril 2013

As dez maiores bobagens do homem “midiocre”




Juremir Machado da Silva

O homem “midiocre” não vive sem suas telas e sem a mediação do hiperespetáculo. Considera o universal abstrato como uma garantia de critérios concretos de racionalidade. Como se recusa a ter noção de contexto histórico, produz uma “pérola” atrás da outra para o imaginário do absurdo. A seguir algumas das suas crenças ou dogmas mais hilariantes e repetidas.

1 – Ainda precisaremos criar o dia do Orgulho Hétero.

2 – Se é preconceito racial chamar negro de crioulo, de negão ou de negrão, também é racismo chamar alemão de branquelo ou simplesmente de alemão ou de alemão batata.

3 – Eu domino a minha televisão com o controle remoto.

4 – Nunca houve tanta corrupção no Brasil como hoje.

5 – O bolsa-família estimula a preguiça.

6 – Os imigrantes europeus sofreram tanto quanto os escravos africanos quando vieram para o Brasil.

7 – Não há discriminação racial no Brasil nem homofobia. Chamar negrão de macaco não significa necessariamente racismo. Não gostar de gay não quer dizer homofobia. É preciso saber diferenciar as coisas.

8 – O politicamente correto cerceia a liberdade de expressão, impede a criatividade, o humor e a crítica e é preconceito contra o preconceito.

9 – Alunos cotistas não conseguem seguir o ritmo dos colegas universitários, ficam para trás e têm sempre maior evasão.

10 – Não existem mais ideologias nem direita e esquerda.


Postado no Blog Juremir Machado da Silva em 11/04/2013
Imagens inseridas por mim

Nota

Homem midiocre é uma expressão criada pelo professor, jornalista e historiador em seu livro, que se relaciona com  "grande mídia". 

É uma expressão com duplo sentido, pois vem de "mídia" e "medíocre".


A SOCIEDADE MIDÍOCRE, A

PASSAGEM AO HIPERESPETACULAR 


Formato: Livro


Idioma: PORTUGUES

Editora: SULINA

Assunto: COMUNICAÇÃO


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...