06 abril 2013

Os indignados de Porto Alegre








Juremir Machado da Silva

Tinha um personagem de tevê com este bordão: “Perguntar não ofende!” Será? É a primeira pergunta.

E se tivéssemos mais de aplaudir do que criticar esses jovens que tomaram as ruas de Porto Alegre em protesto contra o aumento das passagens de ônibus? 

E se eles estiveram quebrando o clichê de que a juventude é despolitizada? E se eles tinham razão?

E se o argumento de que eram manipulados por partidos extremistas for equivalente aos usados pela direita quando outros jovens se manifestavam contra a repressão durante o período ditatorial?

E se esses jovem são, como os da Espanha, da Grécia e dos Estados Unidos, os indignados de Porto Alegre? E aí?

E se a violência explícita que praticaram, sempre condenável, sem entrar no mérito de quem começou, foi a consequência perversa de outra violência pouca condenada, mas talvez mais grave, a violência implícita de um aumento nas passagens que não convenceu ninguém, pareceu abusivo e contrariou indicação do Ministério Público de Contas de que a tarifa deveria baixar? 

E se tudo isso foi a demonstração cabal de que os jovens não aguentam mais decisões de gabinete que parecem atender mais os interesses de empresas do que as necessidades do povo?

E se o aumento da passagem de ônibus devesse voltar a ser decidido pela Câmara de Vereadores?

E se as empresas de ônibus mostrassem quanto lucram por ano, mas não em porcentagem? Um milhão? Dois milhões? Dez milhões? 

E se esses jovens, empurrados pela adrenalina da psicologia das massas, caíram na armadilha da violência justamente para se deslegitimarem? 

E se eles aprenderem rápido a evitar qualquer provocação qual poderá ser a reação de quem possa desejar que uma decisão tomada seja engolida, assimilada e esquecida? 

E se, por ter o Tribunal de Contas do Estado considerado inadequada a metodologia do cálculo que vinha sendo usada, as empresas fossem obrigadas a devolver o que ganharam inadequadamente? Ou a inadequação não é retroativa?

E se esses jovem representam a coragem e a politização que os adultos “sensatos” não têm mais? E se esses jovens são nossos últimos heróis?

E se esses jovens estiveram clamando por transparência com perguntas cruelmente juvenis contra um pragmatismo senil: por que as empresas precisavam mesmo desse aumento? O que o justificava? A justificativa era convincente? 

E se esses jovens estiveram defendendo de peito aberto o interesse também dos mais velhos, as isenções para os idosos que já deram sangue e suor no trabalho e vivem com magras aposentadorias? 

Não teria sido esse aumento uma astúcia para derrubar o que as empresas gananciosas mais detestam e enxovalham: pessoas, jovens ou velhas, podendo andar de ônibus sem pagar ou pagando menos? 

E se tudo isso tiver sido uma estratégia para transformar os isentos em vilões das pobres empresas de ônibus da capital gaúcha?

E se, no outono, estivermos vivendo a primavera de Porto Alegre? A liminar da Justiça que restabeleceu a tarifa de R$ 2.85 dá muitas respostas.

Os indignados podem comemorar.


Postado no blog Juremir Machado da Silva em 05/04/2013
Imagens inseridas por mim


Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"