17 maio 2013

Por que os sindicalistas de jaleco têm medo dos médicos cubanos?



Marco Antonio Araujo

A Associação Médica Brasileira e o Conselho Federal de Medicina deveriam ser responsabilizados por cada cidadão que morre por falta de assistência. Ou então parar de falar bobagens sobre a vinda de médicos estrangeiros para trabalhar nas regiões mais carentes do País.

Fosse só corporativismo, já seria indefensável, pois se há uma categoria que não precisa de mais proteção ou privilégios é exatamente a dos nossos doutores. Mas os argumentos adotados por essas instituições extrapolam o bom senso. Chegam a ser criminosos, pois querem impedir que vidas sejam salvas.

O ministério da Saúde não chegou a essa proposta de importar profissionais de medicina por capricho. Os números são gritantes: em 2011, dos quase 372 mil médicos registrados no Brasil, 209 mil estavam concentrados na Região Sudeste, e pouco mais de 15 mil na Região Norte.

E esse cenário de abandono não vai mudar. Mesmo oferecendo os melhores salários, não há como esperar que esses fins de mundo recebam 6.000 jovens idealistas que suportem as condições de trabalho precárias ou inexistentes. Até porque idealismo não é o forte da elite que cursa os caríssimos e concorridíssimos cursos de medicina, sejam públicos ou particulares.

O preconceito indisfarçado por trás da resistência da AMB e do Conselho deve vir do sucesso inquestionável da medicina cubana, que se fundamenta em um esforço cotidiano de prevenção e em uma relação presencial, “familiar”, com os pacientes — algo que não é ensinado em nossas faculdades. Não por acaso, as especialidades mais procuradas por aqui são cirurgia plástica e dermatologia, a banda estética da medicina que não salva vidas.

Os doutos sindicalistas dizem que os cubanos são profissionais despreparados. Sei. Deve ser por isso que Cuba tem as menores taxas de mortalidade do continente e um sistema de saúde reconhecido internacionalmente como de excelência. Para completar, a turma do jaleco branco quer que os estrangeiros se submetam a exames dificílimos que não são obrigatórios para os brazucas. Espertinhos.

A xenofobia obrigou o ministro Alexandre Padilha a mentir: para se esquivar dos ataques que tem recebido, ele agora diz que o governo vai atrás de médicos portugueses e espanhóis. Bobagem, esses não virão. E se vierem, vão abrir consultórios nas grandes capitais já servidas de bons médicos. Só os cubanos aceitarão a tarefa de se meter pelos sertões e matas. Eles precisam de emprego, e Cuba tem médicos sobrando.

Aí valeria a pena retomar uma discussão tão antiga quanto inútil por essas bandas: por que os médicos formados em universidades federais e estaduais não são obrigados a prestar serviços, estágios ou residências em lugares onde são necessários, mesmo que por um curto período de tempo?

Seria uma forma digna de devolverem o que o Estado lhes deu. Claro que isso serve para todas as profissões. Mas nenhuma é tão sagrada quanto a medicina. Inclusive, no juramento que todo médico faz, está lá o compromisso de penetrar “no interior dos lares”. Se não querem, tudo bem. Já estaria de bom tamanho não fechar portas para quem quer entrar.

Postado no blog O Provocador em 14/05/2013

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"