22 novembro 2013

Viver com paixão






Elisabeth Cavalcante  

O estado de paixão é familiar ao ser humano. Dificilmente encontraremos alguém que nunca tenha experimentado a sensação de euforia, êxtase, encantamento e motivação que o amor proporciona.

A vida ganha cores especiais, tudo ao nosso redor se torna novo e reluzente como se tivéssemos acabado de nascer. Sim, porque é exatamente nesta condição que chegamos ao mundo.

Não é muito difícil constatar isso. Basta observamos uma criança bem nutrida não apenas fisicamente, mas também afetivamente. Ela manifesta uma capacidade de maravilhar-se a cada instante, com todo e qualquer estímulo que lhe apresentemos.

Manter essa condição, no entanto, vai se tornando uma tarefa difícil, pois somos reprimidos o tempo todo na manifestação de nossa autenticidade. As reações espontâneas e entusiasmadas são vistas como de mau gosto, incivilizadas, e são, por essa razão, tolhidas por nossos pais e pela sociedade. 

Só conseguimos recuperá-la no momento em que nos apaixonamos. Pois quando o coração vibra, redescobrirmos uma sensação maravilhosa que havia sido totalmente esquecida.

Mas a paixão pode e deve ser vivenciada não apenas no sentido romântico. A energia da vida pulsa em nós até o último instante, mas muitos infelizmente parecem ter se esquecido completamente disto.

Entusiasmo e uma disposição permanente, para desfrutar de todas as experiências gratificantes que a existência nos proporciona, são os motores que alimentam a capacidade de extasiar-se.

Resgatar estes sentimentos é possível desde que nos reconectemos com o divino que habita em nós. Ele é uma força intensa e poderosa, que nos permite resgatar este dom esquecido, o de viver num permanente estado de paixão pela vida. 

Se você reprime sua paixão, você se tornará frio - é assim que toda a humanidade se tornou fria. Porque a paixão foi reprimida em todos.

Desde a infância sua paixão foi muito reprimida, aleijada. Sempre que você começou a se tornar apaixonado, houve alguém - sua mãe, seu pai, seu professor, a polícia - havia alguém que imediatamente começou a suspeitar de você. Sua paixão foi controlada, reprimida: "Não faça isso!" Imediatamente você se encolheu dentro de si mesmo.

E, aos poucos, aprende-se que, para sobreviver, é melhor ouvir as pessoas que estão ao seu redor, é mais seguro. Então, o que fazer? O que uma criança deve fazer quando ela se sente apaixonada, quando ela se sente cheia de energia, e quer pular e correr e dançar... e seu pai está lendo o jornal? É lixo, mas ele está lendo o jornal, e ele é um homem muito importante, ele é o dono da casa. O que fazer?

A criança está fazendo algo realmente grande - dentro é Deus que está pronto para dançar - mas o pai está lendo seu jornal e tem que haver silêncio. Ela não pode dançar, não pode correr, não pode gritar. Ela vai reprimir sua energia, ela vai tentar ser fria, recolhida, controlada.

Controle tornou-se tal valor supremo. Não é um valor. Uma pessoa controlada é uma pessoa morta, uma pessoa controlada não é necessariamente uma pessoa disciplinada. Disciplina é totalmente diferente. Disciplina vem da consciência, o controle vem do medo. 

As pessoas que estão ao seu redor são mais poderosas do que você, elas podem puni-lo, elas podem destruí-lo. Elas têm todo o poder de controlar, para corromper, para reprimir. E a criança tem que se tornar diplomática.

Quando a energia sexual surge, a criança está em uma dificuldade. A sociedade está contra ela, a sociedade diz que tem que ser canalizado. E isso está fluindo em todo o filho. Ele tem que ser cortado.

Nas escolas, o que estamos fazendo? Na verdade, as escolas não são tanto instrumentos para transmitir o conhecimento como instrumentos de controle. Para seis, sete horas uma criança está sentado lá. Esta é para conter sua dança, para conter o seu canto, para conter sua alegria, isso é para controlá-lo. 

Sentar-se por seis, sete horas todos os dias em uma atmosfera quase como a de uma prisão, amortece a energia, a criança torna-se reprimida, congelada. Agora não há transmissão, a energia não vem, ela vive no mínimo - que é o que chamamos de controle. Ela nunca vai para o máximo.

Os psicólogos são procurados e eles têm reconhecido um grande fator na desgraça humana - que normalmente as pessoas vivem apenas dez por cento. Elas vivem dez por cento, respiram dez por cento, amam dez por cento, desfrutam dez por cento - noventa por cento de sua vida simplesmente não é permitida. Isso é puro desperdício. 

A pessoa deve viver cem por cento da sua capacidade, só então o florescimento é possível.


Postado no site Somos Todos Um






Vida

Música de Ricardo Engels e Carlos Lidwig
 Nenhum de Nós

Vida é chuva, é sol 
Uma fila, um olá 
Um retrato, um farol 
Que será, que será? 

Vida é o filho que cresce 
Uma estrada, um caminho 
É um pouco de tudo 
É um beijo, um carinho 

É um sino tocando 
Uma fêmea no cio 
É alguém se chegando 
É o que ninguém viu 
É discurso, é promessa 
É um mar, é um rio 

Vida é revolução 
É deixar como está 
É uma velha canção 
Deus nos deu, Deus dará 

Vida é solidão 
É a turma do bar 
É partir sem razão 
É voltar por voltar 

Vida é palco, é platéia 
É cadeira vazia 
É rotina, odisséia 
É sair de uma fria 
É um sonho tão bom 
É a briga no altar 

Vida 
É um grito de gol 
É um banho de mar 
É inverno e verão 
Vida 
É mentira, é verdade 
E quem sabe a vida 
É da vida a razão... 

Vida!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...