23 novembro 2014

Não é questão de tolerância, mas de respeito






Marcos Ramon

Recebi essa mensagem ao lado em um grupo do WhatsApp.

Não sei como você vê isso. Pra mim é simples: uma pregação do ódio em nome da religião, do Estado e dos “valores civilizatórios”.

Se uma pessoa decide se casar com outra pessoa do mesmo sexo ou com uma árvore, isso não tem nada a ver comigo. E não, o nosso futuro não depende de um modelo compulsório de família cristã para todas as pessoas, ao contrário do que diz a mensagem.

Se fala muito atualmente sobre tolerância, sobre sermos tolerantes com os outros para termos uma vida melhor. 

Mas a verdade é que a tolerância não é uma coisa boa. Ninguém quer ouvir outra pessoa dizendo: “eu te tolero!”. E o motivo pra isso é simples. Dizer que se tolera alguém é o mesmo que dizer: “eu te detesto porque não somos iguais, mas como eu sou uma pessoa superior eu suporto a sua presença”. 

Já respeitar alguém é outra coisa. Dizer “eu te respeito” é como dizer: “eu sei que somos diferentes e não tem problema nenhum nisso”.

Aquela mensagem que recebi no WhatsApp é um exemplo claro da sociedade pseudodemocrática e tolerante que temos, onde tudo se (con)vence pelo voto da maioria (mesmo quando algumas coisas deveriam depender apenas do bom senso) e ninguém tem a menor intenção em cuidar apenas da própria vida.

O nosso futuro não depende de um modelo de família único  —  qualquer que seja  —  institucionalizado como lei, mas sim do surgimento de uma nova geração de pessoas que entendam a necessidade do respeito e da diferença para a vida em comunidade.

Chega de tanta gente tolerante.


Postado no site Medium em 12/11/2014


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...