27 agosto 2015

Por que Aécio não é investigado na Lava Jato?





Eliane Cantanhêde, cheirosa e desatenta

Por Altamiro Borges
Ainda quando trabalhava na Folha, a jornalista Eliane Cantanhêde ficou famosa pelo seu entusiasmo com a "massa cheirosa" tucana durante uma convenção do PSDB. 

Hoje ela presta os seus serviços ao falido Estadão e também à Globo News e poderá acrescentar outro adjetivo no seu currículo: cheirosa e desatenta. 

Ao comentar a acareação do doleiro Alberto Youssef, que confirmou que o cambaleante Aécio Neves recebeu propina de Furnas, ela simplesmente esqueceu de citar o seu amigo tucano.

De imediato, uma internauta questionou a sua parcialidade. A resposta foi típica do tucanês: "Era muita informação ao mesmo tempo e acabei passando batido". 

Hilária, para não dizer patética.




Eliane Cantanhêde, que não esconde suas relações carnais com os tucanos de alta plumagem, não foi o único vexame da mídia neste caso.

No geral, diante do depoimento do mafioso Alberto Youssef, a velha imprensa adotou uma postura vergonhosa.

O Jornal Nacional, da TV Globo, simplesmente não mencionou o nome de Aécio Neves e de Sérgio Guerra, o falecido presidente nacional do PSDB.

Já o site UOL postou uma notícia com os dois nomes e, logo na sequência, mudou o título da matéria. 

No geral, os outros veículos seguiram a mesma linha editorial, blindando os dois chefetes tucanos.


Diante de mais este crime da mídia, o jornalista Rodrigo Vianna, do blog Escrevinhador, fez questão de postar uma mensagem de Alberto Villas, ex-diretor do programa Fantástico, da TV Globo e um "dos melhores e mais experientes jornalistas do Brasil". Em sua postagem no Facebook, ele detona a manipulação da mídia hegemônica em mais este episódio deprimente. Vale conferir:

Alberto Villas, no Facebook

A noticia é esta: Aécio Neves e Sérgio Guerra receberam dinheiro de propina, segundo revelação feita ontem pelo doleiro Alberto Youssef.

VillasNews está oferecendo um doce para quem encontrar a noticia na primeira página da Folha de S.Paulo ou de O Globo. E uma lupa para que você encontre a notícia no interior dos jornais.

Bom trabalho! Isso não pode ser chamado de Jornalismo. Ainda mais com J maiúsculo.

http://albertovillas.com.br/2015/08/26/escandalo-3/



Como afirma Rodrigo Vianna, a cobertura jornalística do depoimento do doleiro é mais um episódio vergonhoso do jornalismo nativo: 

"Vocês já imaginaram o que aconteceria se Youssef dissesse que Lula ou Dilma recebiam propina em Furnas?
Imaginem: o doleiro diz que o irmão de Dilma pegava grana; o que aconteceria no dia seguinte? Quais seriam as manchetes?
Pois bem, na capa dos jornais (que são lidos pela classe média raivosa), e mesmo nos programas subsequentes da Globo News (assistida pela mesma classe média raivosa e paneleira, a informação foi tratada com a discrição devida. Sumiu!...
O impeachment morreu mais um pouco ontem. E a velha imprensa também morre. Mas o jornalismo vai sobreviver. Esse é como o samba: agoniza mas não morre…".

Postado no Blog do Miro em 27/08/2015

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"