11 novembro 2015

Boicote a Israel não é discurso contra judeus




Carlos Latuff


Falta com a verdade a Confederação Israelita do Brasil – CONIB quando diz em nota que a campanha contra o apartheid israelense é obra de “grupos de ódio que pregam o boicote cego a Israel”, que Caetano Veloso “sucumbiu” a uma suposta “onda antissemita” e que “se fez cego diante da incitação ao terrorismo e ao ódio contra os judeus”. 

A nota também fala de “negociações de paz” e “causa da paz”, como se paz fosse o que o governo israelense na figura do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu – בנימין נתניהו buscasse.

A CONIB omite o fato de que Netanyahu a cada dia constrói mais colônias israelenses em território palestino, e que tem em seu gabinete figuras como a secretária de justiça Ayelet Shaked, que no Facebook fez clamores abertos ao genocídio de palestinos e chamou os filhos de mães palestinas de “pequenas cobras”. 

A CONIB também ignora que em 2012, durante a “Operação Pilar de Defesa”, onde bombardeios israelenses à Faixa de Gaza vitimaram civis palestinos, o então ministro do interior Eli Yishai disse que as forças de Israel deveriam “mandar Gaza de volta a Idade Média”.

Curioso que a CONIB faça menção a “incitação ao terrorismo” nessa nota, mas que também tenha “esquecido” de que o estado de Israel foi imposto aos árabes através de ações violentas de organizações terroristas judaicas como Haganah, Stern Gang e Irgun, esta inclusive responsável por um caminhão bomba que atingiu o hotel King David em Jerusalém em 1946.

A nota da CONIB ainda afirma que Caetano quis “ver apenas um lado da questão”. Se esse lado é o dos palestinos, então Caetano fez muito bem, porque é o lado mais fraco, é o lado que tem suas casas demolidas para a construção de assentamentos israelenses, o lado de quem tem seu direito de ir e vir cerceado por incontáveis checkpoints, o lado de quem tem suas crianças e jovens fuzilados nas ruas ou presos pela máquina de repressão israelense.

Israel tem a seu lado os Estados Unidos, que na ONU impede que qualquer sanção seja tomada contra as inúmeras violações de direitos humanos, fartamente documentadas inclusive por ONGs israelenses.

Israel tem força aérea, naval, terrestre, armas nucleares, bilhões de dólares de Washington. E os palestinos, o que tem? Quem os apoia nesse conflito desigual? 

Portanto, a campanha BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções) é mais que justa. Deu certo contra o apartheid sul-africano, tem dado certo contra o apartheid israelense, tanto assim que organizações como a CONIB, que são correias de transmissão das políticas israelenses no Brasil, acusam a campanha de boicote de “antissemitismo”, numa tentativa de criminalizar a iniciativa.

Caetano Veloso e Gilberto Gil não deveriam, em primeiro lugar, participar desse show em Israel. Foram inúmeros os apelos, inclusive os meus.

Mas de todo modo, se a viagem aos territórios ocupados da Cisjordânia fez com que Caetano abrisse os olhos para as atrocidades do regime israelense, menos mal, antes tarde do que nunca, e que mais artistas engrossem o coro dos que defendem a auto-determinação do povo palestino.


* Carlos Latuff é Cartunista.


Postado no Sul21 em 10/11/2015


















Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...