20 maio 2016

Nem o frio de inverno impediu que milhares de pessoas fossem às ruas de Porto Alegre na terceira manifestação contra o Golpe e o governo golpista !



poa


Débora Fogliatto

No maior ato até agora contra o presidente interino Michel Temer (PMDB) em Porto Alegre, milhares de manifestantes percorreram ruas do Centro e da Cidade Baixa em uma marcha pacífica nesta quinta-feira (19). O ato, convocado após os dois primeiros protestos que terminaram em agressões da Brigada Militar na semana passada, transcorreu sem maiores problemas. Ao final, um pequeno grupo permaneceu na avenida Loureiro da Silva, causando momentos de tensão, mas a polícia não avançou.

Assim como das outras vezes, a mobilização começou na Esquina Democrática, entre as ruas Borges de Medeiros e Andradas, por volta das 18h. Pouco menos de uma hora depois, os manifestantes começaram a caminhada pela Borges em direção ao Palácio Piratini, entoando “Ô ô Sartori, pode esperar, a tua hora vai chegar”. Em ritmo acelerado e animado, sem deixar as músicas pararem, os manifestantes deram a volta na Praça da Matriz, embalados também pelos tambores do Levante Popular da Juventude. Nesse momento, tentaram queimar bonecos de papelão de Temer, do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, e do governador José Ivo Sartori.

Dentre os diversos grupos e pessoas presentes, era possível identificar faixas relacionadas ao movimento de mulheres e da cultura, setores ameaçados pelo governo de Temer. A multidão, que chegou a reunir 20 mil pessoas, segundo os organizadores, seguiu então pela rua Duque de Caxias, cantando “ai, ai, ai, ai, empurra o Temer que ele cai”. Os gritos de “fora Temer” e “Temer, ladrão, teu lugar é na prisão” foram alguns dos mais entoados ao longo da caminhada.

Uma faixa com os dizeres “Fora Temer e Cunha na cadeia” liderava a passeata. Ao longo do protesto, era possível ver também cartazes com críticas à Rede Globo, pedindo eleições gerais, apoiando a presidenta afastada Dilma Rousseff (PT), requisitando “não atirem, protesto não é crime”, entre outros. Um grupo de mulheres segurava um cartaz com uma foto de Dilma na época da ditadura, com a pergunta “que horas ela volta?”, em alusão ao filme brasileiro de 2015. Havia ainda pequenos caixões de cartolina, pintados de preto, com os nomes de alguns programas sociais que estão ameaçados, como ProUni, SUS e FIES.


Foto: Guilherme Santos/Sul21


Foto: Guilherme Santos/Sul21


 Foto: Guilherme Santos/Sul21


Foto: Guilherme Santos/Sul21


Foto: Guilherme Santos/Sul21


Foto: Guilherme Santos/Sul21


Foto: Guilherme Santos/Sul21


Foto: Guilherme Santos/Sul21



Postado no Sul21 em 20/05/2016



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...