31 julho 2016

Gavin Roy mostra 10 verbos da Língua Portuguesa que não existem em inglês






Esse gringo mostra 10 verbos da Língua Portuguesa que não existem em inglês


Débora Schach



Às vezes é preciso o olhar de um estrangeiro para que a gente volte a se apaixonar pelo nosso país.


Gavin Roy fala com tanta empolgação da Língua Portuguesa que fica difícil não sentir aquela pontinha de orgulho. 

Gavin é norte-americano, adora o nosso idioma e está aprendendo a falar português sozinho (!). 

Em seu canal no YouTube, o ‘Small Advantages’, ele dá dicas de inglês em vídeo-aulas em português. 

Nesse vídeo específico, Gavin apresenta 10 verbos do português que não existem em inglês – em todos os casos, é possível expressar a mesma ideia em inglês (ou quase), mas não em apenas uma palavra. Assista e veja que interessante.







Postado em Blue Bus em 21/07/2016



29 julho 2016

Ainda não inventaram nada melhor do que dormir !




Laura Brenner

Ninguém fala muito sobre dormir, pelo menos não com a seriedade que o assunto merece. Delicado ato de fechar os olhos e se entregar a Morfeu de corpo e alma, o assunto está presente em todas as vidas, mas em poucas conversas. É a sina do homem pós-moderno: a rotina não costuma ter lá esta bola, especialmente quando está boa. Só se fala sobre o sono quando ele não vai bem.

O simples ato de dormir mereceria muito mais que uma crônica. Cadê os poetas meias-tigelas para rimarem dormir e sorrir? Que diabos de obra compuseram Shakespeare, Goethe ou até Paulo Coelho (!) que não dedicaram uma só linha a essa graça? Fernando Pessoa sucumbiu à insônia (“Não durmo, nem espero dormir. Nem na morte espero dormir.”), mas na hora de enaltecer aquele cochilo providencial, foi um baita mal agradecido.

Existem várias formas de se render a tal divindade. Há aqueles momentos ritualísticos em que se cria um culto pré-sono, carecedor de preparo e astúcia: pijaminha, leite morno, edredom macio, ar-condicionado, uma tevezinha baixinha para atiçar a melatonina, uma oração para agradecer aquele momento sublime e pimba, foi-se a consciência (Deus, perdão por todas as vezes em que dormi no meio da oração). 

Mas Morfeu é singelo e aceita informalidades: um cochilo no ônibus, no banheiro da balada, na palestra monótona, no ombro da pessoa ao lado, no estacionamento, na carteira da escola (estilo Chico Xavier, com a mão fazendo uma cabaninha sobre os olhos)… Uma pescadinha regeneradora já melhora o dia! Seja onde for, pregar os olhos é uma delícia.

Há tanta poesia em sonhar que astrólogos dedicam milhares de horas a estudar os elementos do sono: uma cobra rastejando pelo chão é aviso para que preste atenção ao seu círculo de amizades; a presença de um ovo é sinônimo de fartura; já sonhar com dente pode ser um punhado de coisas diferentes, amigo, melhor pesquisar. A tal astrologia é tão eficiente quanto fazer simpatia na encruzilhada, mas sabe-se lá… “Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay.” 

A verdade é que yo creo mesmo na magia de fechar os olhos e sonhar. Quem dorme bem não pratica crime, não engorda, não briga e, quando acorda, vive com mais intensidade, na expectativa de dormir de novo.

Dormir faz parte de todos os momentos mágicos da vida: se almoçou aquele churrascão de domingo, tire um cochilo (os espanhóis e sua sesta são geniais!); se o sexo com o parceiro foi bom, durma de conchinha; se exagerou na bebida, repouse para melhorar; se a festa foi boa, descanse para recuperar as energias; se chorou demais, durma que melhora. Mas não é preciso criar motivo, o travesseiro, por vezes, é muito mais convidativo que qualquer festa ou conversa. A melhor de todas as baladas acontece quando se está quietinho entre lençóis. A vida é feita de sonecas e sonos profundos, num oceano de altos e baixos que só se sustenta pela necessária segurança da rotina.

Raymond Radiguet, o escritor francês, não deixou passar em branco a beleza da rotina. Ao falar sobre o primeiro beijo em Marthe, sua musa tanto oferecida quanto proibida, filosofou: “O sabor do primeiro beijo me decepcionara, como uma fruta saboreada pela primeira vez. Não é na novidade, mas no hábito que encontramos os maiores prazeres. Alguns minutos depois, não apenas estava habituado à boca de Marthe, como não podia passar sem ela”. Assim como o beijo da moça a Radiguet, dormir é hábito que não passa em branco, tanto pela necessidade do corpo como pelo espetáculo artístico daquelas horas (por vezes, humildes minutos ou míseros segundos…). Beijos e obrigada, Morfeu.



Postado em Bula



Lula recorre à ONU contra abusos de Moro





Luciano Nascimento, na Agência Brasil


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou hoje (28) uma petição ao Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmando ser vítima de violação de direitos humanos em razão das ações da Operação Lava Jato. Segundo a petição, Lula se diz perseguido pelo juiz Sergio Moro, responsável pela operação na primeira instância, a quem acusa de abuso de poder.

A defesa de Lula reclamou o que considera “atos ilegais” praticados por Moro, entre eles a gravação e divulgação de conversas privadas dele com advogados e também com a presidenta afastada Dilma Rouseff, além da condução coercitiva para um depoimento no dia 4 de março.

A peça foi protocolada na sede do Comitê, em Genebra, na Suíça. Segundo a defesa, o documento é uma resposta aos atos de Moro, que “não podem ser satisfatoriamente corrigidos na legislação brasileira".

Conforme a petição, Lula pode sofrer violações de direitos humanos e abuso de poder por parte de Moro e dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato. Entre as possíveis violações, o documento lista “invasão de privacidade, prisão arbitrária, detenção antes do julgamento, presunção de culpa e incapacidade de afastar um juiz tendencioso”.

No documento, a defesa informou que Lula sempre se submeteu voluntariamente a pedidos de interrogatórios da polícia ou do Ministério Público e que não procura o Comitê Internacional com a pretensão de estar acima da Lei.

"Como um ex-presidente, ele não exerce qualquer função ou detém qualquer privilégio, e sempre auxiliou a polícia e os procuradores quando chamado a prestar esclarecimentos em inquéritos policiais ou outros procedimentos investigatórios", acrescentou o documento.

Parcialidade

Além da declaração de que os atos de Moro foram ilegais, os advogados também pedem a declaração de parcialidade do magistrado e que investigação seja conduzida por um “juiz imparcial”.

“Lula busca uma decisão nesse sentido pelo comitê, na esperança e expectativa de que seus pontos de vista sobre essas queixas não só irão fornecer alguma compensação pela violação de seus direitos, mas vão ajudar os futuros governos na elaboração de leis e procedimentos que possam aprimorar o combate à corrupção, enquanto protegem os direitos básicos dos suspeitos”, destacou a peça.

Na petição, a defesa informou que, em razão da conduta adotada por Moro, Lula teve violado seu direito de presunção de inocência, estando ainda suscetível a ser detido e preso a qualquer momento.

“Esse juiz é conhecido por manter suspeitos da Operação Lava Jato presos por tempo indeterminado, em detenção, até que eles façam delação premiada. Eles não têm direito a habeas corpus ou acesso a um tribunal que decida pela sua soltura, a não ser um ‘tribunal’ composto pelo próprio juiz Moro. Embora o reclamante ainda não tenha sido preso, na qualidade de suspeito declarado ele está vulnerável.”

O documento citou as investigações em torno da suposta propriedade de Lula de um sítio em Atibaia, no interior de São Paulo, e de um apartamento em Guarujá, no litoral paulista.

O ex-presidente nega as acusações e disse que apoia as investigações desde que sejam feitas de “maneira justa e transparente”.

“Ele [Lula] tem, repetida e enfaticamente, negado que tenha conhecimento, tampouco que tenha aprovado tais crimes ou recebido qualquer dinheiro ou favores como "propina" por ações ou decisões que ele tenha tomado quando presidente do Brasil, ou em qualquer outro momento”, concluiu a petição.















28 julho 2016

Exercício para sair do desânimo





Sabe quando bate aquele desânimo e você não sabe de onde tirar forças pra fazer as coisas que precisa fazer?

Foi em um desses momentos que acabei recebendo uma luz para criar uma afirmação muito simples que tem me ajudado a sair desse estado de desânimo e recuperar a força de vontade para continuar.

Contei em vídeo qual é essa afirmação e como você pode usá-la para se sentir melhor:







Postado em Desassossegada em 28/07/2016



27 julho 2016

Dilma já foi absolvida pela História e os golpistas condenados





Paulo Nogueira


Não importa a votação final do Senado, Dilma já foi absolvida pela história e os golpistas condenados.

Ficou cabalmente provado que ela não cometeu o crime que lhe foi imputado na peça infame do impeachment.

Dilma não pedalou.

Ficou cabalmente provado, igualmente, que seu afastamento foi um golpe cínico, canalha, despudorado da plutocracia corrupta e predadora.

O objetivo em nenhum momento foi combater a corrupção. Isso serviu apenas de pretexto, como em 54 com Getúlio e 64 com Jango.

Se quisessem erradicar a corrupção, jamais o maestro do golpe teria sido Eduardo Capone Cunha e nem o beneficiário principal Michel 6% Temer.

A finalidade era conquistar o Estado por outro meio que não os votos e, uma vez feito isso, estabelecer um governo destinado a favorecer os plutocratas. Para tanto, programas sociais foram sendo postos no lixo mesmo sem Temer ser efetivado.

Temer. FHC. Aécio. Serra. Famílias Marinho, Frias, Civita e Mesquita, ao lado de seus comentaristas e editores de alto poder de famulagem. Sérgio Moro. Gilmar Mendes. O STF no conjunto.

Todas os nomes listados acima, apenas alguns entre tantos, são a escória destes tempos dramáticos para a democracia brasileira. E assim a posteridade os reconhecerá: seus filhos e netos haverão de se envergonhar de seu papel no golpe plutocrata.

Com Dilma é o oposto.

Ela foi claramente vítima de homens corruptos, ricos e inescrupulosos.

Não teve chance de governar desde que iniciou o segundo mandato que garantiu graças a 54 milhões de votos.

Foi imediatamente perseguida. Caçada. Aécio e FHC contestaram os votos das formas mais sujas possíveis. Em seu jornalismo de guerra, a mídia crucificou Dilma. A Lava Jato e Sérgio Moro compuseram um circo infernal. No Congresso, Eduardo Cunha, com seus métodos de gangster, inviabilizou qualquer possibilidade de Dilma passar medidas que pudessem fazer frente à crise econômica.

Não bastasse isso, a esquerda acusou Dilma injustamente de colocar em prática um programa conservador.

Ora, ora, ora.

Estes dois meses de Temer mostraram o que é, efetivamente, uma plataforma conservadora. Mesmo nas cordas, Dilma não mexeu nas ações sociais que tiraram milhões de brasileiros da miséria nos últimos anos.

Temer está fazendo o que Aécio teria feito caso fosse vitorioso.

A posteridade reparará mais esta injustiça contra Dilma: a da esquerda míope, que tradicionalmente, na história, facilita os golpes da direita.

É uma desgraça nacional, do ponto de vista das coisas concretas, ver um projeto thatcherista ser imposto aos brasileiros quando o mundo avançado já renegou o legado de Margaret Thatcher.

O thatcherismo foi responsável pelo crescimento vertiginoso da desigualdade social nos últimos 30 anos, com seus pilares francamente a favor dos ricos.

Nem os herdeiros de Thatcher, os conservadores britânicos, ousam falar em seu nome para a sociedade. Não existe uma única estátua de Thatcher na Inglaterra. É sábido que, se erguida hoje, será derrubada amanhã.

E mesmo assim Thatcher inspira os responsáveis pela economia brasileira. Um país já tão desigual se tornará ainda mais injusto.

Dilma, repito, já foi absolvida e os golpistas condenados.

Caso o golpe seja efetivado em agosto, Dilma cairá de pé, maior do que jamais foi. E os golpistas ganharão de joelhos, condenados ao desprezo eterno dos brasileiros.


Postado em DCM em 27/07/2016



Decore com plantas suculentas



Precisam de pouca manutenção e adoram o sol. Por isso no verão deve se regar uma vez por semana e durante o inverno a cada 15 dias. Deixá-las no sol pelo menos por 3 horas, a maioria das suculentas gostam.

Na cozinha? Fica linda! Mas também combina com o quarto, home office, sala, banheiro, varanda… Mas cuidado com os animais de estimação. Como essas plantas costumam ter espinhos ou pontas, é bom colocar em lugares que focinhos curiosos não alcancem.









suculentas_rick_salgado_








abc












02-jardim-com-cactos-e-suculentas-que-quase-nao-precisam-de-agua:


Nous sommes fans du minijardin récup' de la blogueuse La Mouette ! #dccv #deco #diy #garden #green #succulent #recup #ducôtédechezvous:



26 julho 2016

Não demore muito para perceber que é preciso pouco para ser feliz




Rebeca Bedone

Estamos nos habituando a uma nova era: aprendemos a pensar rápido, a responder de prontidão e produzir com intensidade. É quase necessário que cheguemos perto da perfeição para fazer parte do sistema. Tornamo-nos exímios competidores. Quem não seguir o fluxo, fica para trás. Precisamos ser melhores do que os outros para receber as bonificações do emprego e da vida. E somos incentivados o tempo todo a consumir bens e serviços para obter prazer e felicidade.

É admirável a coragem daqueles que se livraram de seus bens materiais e iniciaram uma peregrinação apenas para dentro de si mesmos. Eu ainda sou fraca demais para levar uma vida ascética. Gosto de tomar um bom vinho e passar as férias em um lugar bacana. Acredito que é justo vivermos bem e com conforto, já que trabalhamos com dedicação e honestidade. Acontece que, apesar de ser importante ter dinheiro, ele ainda não compra sentimentos.

Aprendi que chega uma hora em que consumir me consome, e acabo me perdendo dentro de minhas próprias necessidades e valores. Nos momentos em que esse estilo de vida moderno me deixa saturada, preciso fugir. Saio de mim e vou pro lugar mais longe que posso. Invento uma casa no campo, galinhas no quintal e árvores no jardim. Crianças correndo de pés descalços na terra queimada pelo sol, brincando com qualquer coisa que não sejam jogos eletrônicos. Mulheres usando vestidos simples e cheirando a flores frescas, e homens tranquilos tocando violão ou soprando gaita.

Em meio ao meu desvario, a vida real corre em paralelo, claro. São contas a pagar, compromissos a cumprir e gente para cuidar. Faço parte do sistema, isso é um fato. E o modo como faço parte desse sistema sou eu que escolho: não quero consumir o que não me preenche.

As fofocas da coluna social de revistas VIPs não me preenchem. Pessoas que se importam mais com a aparência do que com o conteúdo não me preenchem. Bolsa de marca que custa mais que o salário mensal de uma família de classe média também não me preenche.

Um fato recente é exemplo do que me preenche. A moça que trabalha comigo entrou na sala toda animada, falando que tinha acabado de chegar uma coisa muito legal para mim. Fiquei curiosa. Enquanto imaginava o que poderia ser, ela me entregou um envelope branco selado pelo correio, com remetente e destinatário escritos à mão. “Olha só que bonitinho. Há quanto tempo eu não via uma carta assim!” — ela exclamou.

É verdade. Hoje em dia é raridade recebermos uma carta escrita de próprio punho. Algo tão simples, que já foi tão presente na vida das pessoas, praticamente se extinguiu depois da era virtual. A pessoa que me escreveu, uma adolescente leitora das minhas crônicas, disse que “as coisas simples da vida são as melhores”.

Isso encheu meu coração de alegria. Apesar da rotina dos dias, do trânsito caótico e da poluição nos olhos, apesar das distâncias físicas e virtuais, do consumismo acelerado e da inversão de valores da nossa sociedade, ainda encontramos pessoas iguais a nós. Sim, ainda precisamos uns dos outros.

Se você sente a vida como eu, seja bem-vindo a essa sensação. Como uma amiga que mora do outro lado do oceano me disse: “Ainda não sei se sentir o mundo com mais intensidade nos faz mais felizes ou tristes, mas é algo que vem da alma, não dá para mudar…”

É que não podemos mais brecar nossos sentidos e desejos. Talvez muitos não compreenderão, pois essas pessoas não veem a vida com os olhos de sentir. Mas nós, seres imperfeitos, inquietos e questionadores, estamos aprendendo a deixar fluir o que vem de dentro: os segredos que não revelamos, os sonhos que desejamos e as histórias que guardamos. Porque somos o que sentimos em nós e nos outros, e essa é a maior riqueza que podemos levar conosco.


Postado em Bula



24 julho 2016

‘Você acabou até com a festa das Olimpíadas’ : carta aberta a Michel Temer. Por Paulo Nogueira


Uma calamidade pública
Uma calamidade pública



Esta é mais uma das Cartas aos Golpistas. No futuro, elas poderão ser reunidas num livro que recapitule o golpe de 16.

Caro Temer: você conseguiu destruir até a alegria que deveria preceder um acontecimento como as Olimpíadas.

Você não é apenas um golpista. É um destruidor.

Um destruidor de esperanças, um destruidor de futuro, um destruidor de sorrisos e de alegrias.

Você também é um péssimo exemplo de caráter. Passará para a história como aquele que apunhalou pelas costas 54 milhões de votos.

Você simboliza o atraso no conteúdo e na embalagem, com suas mesóclises arcaicas e com seus maus versos.

Até seu casamento é um clichê: o velho rico e botocado e a linda menina pobre. Ao ver o casal a grande máxima de Nelson Rodrigues é inevitável: “O dinheiro compra até o amor verdadeiro.”

Você não chega a ser um plutocrata. É um servo, é um fâmulo da plutocracia. Foi usado circunstancialmente pelos plutocratas para tirar na marra do poder um governo que cometeu o crime de colocar os miseráveis na agenda.

O povo não reconhece pessoas como você.

Um terço dos brasileiros sequer sabe seu nome. Apenas um entre sete aprova seu governo. Quatro entre dez entendem que você chegou ao Planalto por um processo sujo — e isso mesmo com todo o apoio da imprensa.

Não importa o que aconteça, você já fracassou. Não há nada que você possa fazer para mudar isso. Não há nada que jornais e revistas possam fazer para elevá-lo do abismo a que a traição o conduziu.

Veja, por exemplo, o que ocorreu com a Folha de S. Paulo ao tentar inflá-lo artificialmente por meio de uma fraude numa pesquisa Datafolha.

A Folha saiu desmoralizada. O Datafolha saiu desmoralizado. Até o Globo saiu desmoralizado ao atribuir as críticas a “blogs petistas”, uma canalhice desmentida pela própria ombudsman da Folha, que reconheceu o erro.

E você saiu também desmoralizado: a mídia pode muito, mas não pode transformar um político de terceira categoria num estadista.

Você foi uma vergonha até como interino. Agiu indevidamente como se fosse titular. Usou a caneta provisória para comprar a permanência numa posição que não é a sua. Distribuiu sem nenhum pudor cargos para senadores corruptíveis, que se deixam seduzir pelo brilho frio das moedas.

Caro Temer: cada dia com você é um dia a menos para o avanço do país rumo a uma sociedade menos abjetamente injusta.

Um estadista traz luzes para um país. O senhor traz sombras.

Sinceramente.

Paulo



Paulo Nogueira   Sobre o Autor
O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Postado em DCM em 24/07/2016





Pãozinho " Fora Temer "







Muito obrigado, Nelson Mandela !


Nelson Mandela 18 julho



Num mundo onde a cor da pele ainda é imperativa para classificar seres humanos e mutilar cidadanias, as reflexões de Nelson Mandela 
são cada vez mais atuais e indispensáveis



Luis Gustavo Reis*


“Quando eu saí em direção ao portão que me levaria à liberdade, sabia que, se não deixasse a minha amargura e meu ódio para trás, ainda estaria na prisão.” — Nelson Mandela

A África do Sul foi responsável pela instauração de um dos regimes políticos mais odiosos da história. De 1948 a 1991, vigorou no país um rígido sistema de segregação racial chamado apartheid. Embora a segregação racial já estivesse em curso desde o início do Período Colonial (meados do século XIX) – quando os britânicos dominaram a região e consolidaram sua ação imperialista no território impondo seus interesses e explorando a população negra –, o apartheid foi introduzido como política oficial somente em 1948.

O apartheid dividia os habitantes em grupos raciais. Por esse regime, os negros eram obrigados a morar e a conviver em lugares separados dos brancos. A relação entre os grupos era restrita ao trabalho, no qual os brancos eram os patrões e os negros, os empregados. Até o casamento entre pessoas desses dois grupos era proibido.

A segregação acontecia em todos os setores da sociedade: escolas, hospitais, áreas residenciais e de lazer, transportes etc. Além disso, os serviços de pior qualidade eram destinados à maioria negra, enquanto todos os benefícios eram garantidos à minoria branca.

A Lei da Terra, por exemplo, destinava 87% do solo sul-africano para a população branca, não permitindo aos negros sua aquisição, mesmo que possuíssem recursos financeiros para tal. Pesquisas revelam que meses antes da derrocada do regime havia no país 750 mil piscinas, uma para cada duas famílias brancas, enquanto 10 milhões de famílias negras não dispunham de água potável em suas residências.

Mas a mesma a África do Sul que maculou sua história de forma irreversível também é berço de uma das maiores e mais respeitáveis figuras públicas do século XX: Nelson Mandela, carinhosamente apelidado “Madiba” por seus patrícios. De família modesta, Mandela nasceu no dia 18 de julho de 1918 no vilarejo de Mvezo (hoje parte da província de Cabo Oriental). Foi o primeiro da família a frequentar a escola, onde estudou cultura ocidental e garantiu uma vaga no curso de Direito da Universidade Forte Hare. Foi na universidade que ele se engajou na luta contra o apartheid, ingressando no Congresso Nacional Africano (CNA), principal grupo de contestação ao regime segregacionista.

Comprometido de início apenas com atos não violentos, Mandela e seus colegas passaram a recorrer às armas após o terrível Massacre de Sharpeville, em 1960, quando a polícia sul-africana atirou em pacíficos manifestantes negros que marchavam contra racismo, matando dezenas deles.

Em 1962, após meses na clandestinidade, Mandela foi detido e condenado a cinco anos de prisão por atividades subversivas. Em 1964, um novo julgamento estipulou sua prisão perpétua, a ser cumprida na penitenciária de Robben Island, localizada em uma ilha a 3 km da Cidade do Cabo, acompanhada de trabalhos forçados nas pedreiras da ilha. Mandela foi libertado do cárcere em 1990, de onde saiu em marcha lenta, com o braço direito erguido e o punho cerrado – o arquétipo de um poderoso gesto político.

Sua atuação pelo fim do apartheid prosseguiu com a eleição do presidente Frederik De Klerk, também comprometido com o fim do regime segregacionista. Seus esforços foram reconhecidos e, em 1993, ambos foram contemplados com o Prêmio Nobel da Paz. Em 1994 ocorreram as primeiras eleições multirraciais da África do Sul e Nelson Mandela foi oficialmente eleito presidente da República.

Em novembro de 2009, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu o dia 18 de julho como o Dia Internacional Nelson Mandela – Pela liberdade, justiça e democracia, data celebrada internacionalmente.

Durante 27 anos, Mandela viveu encarcerado por lutar contra a segregação racial. Ativista político incansável, figura carismática, ganhador de um Prêmio Nobel e primeiro presidente negro de seu país, ele jamais esmoreceu e sempre combateu por uma África do Sul mais justa e fraterna, conservando de forma irreversível, quaisquer que fossem os desafios enfrentados, uma dignidade que o tornou lendário. Faleceu no dia 5 de novembro de 2013. Seu maior legado é difícil de ser apontado. Sem vilipendiar a minoria de brancos, estabeleceu a igualdade entre estes e os negros. Enfrentou anos de cárcere e sofrimento pessoal em função de um bem coletivo.

No julgamento que o condenou, quando já estava na prisão, definiu sua luta da seguinte forma: “Eu celebrei a ideia de uma sociedade livre e democrática, na qual todas as pessoas vivam juntas em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal pelo qual espero viver e o qual espero alcançar. Mas, se for necessário, é um ideal pelo qual estou pronto para morrer”.

Os horrores do apartheid mancharam definitivamente a história da humanidade, mas os ensinamentos de Madiba vão ecoar por séculos a fio. Num mundo onde a cor da pele ainda é imperativa para classificar seres humanos e mutilar cidadanias, suas reflexões são cada vez mais atuais e indispensáveis.

*Luis Gustavo Reis é professor, editor de livros didáticos e colabora para Pragmatismo PolíticoA África do Sul foi responsável pela instauração de um dos regimes políticos mais odiosos da história. De 1948 a 1991, vigorou no país um rígido sistema de segregação racial chamado apartheid. Embora a segregação racial já estivesse em curso desde o início do Período Colonial (meados do século XIX) – quando os britânicos dominaram a região e consolidaram sua ação imperialista no território impondo seus interesses e explorando a população negra –, o apartheid foi introduzido como política oficial somente em 1948.

O apartheid dividia os habitantes em grupos raciais. Por esse regime, os negros eram obrigados a morar e a conviver em lugares separados dos brancos. A relação entre os grupos era restrita ao trabalho, no qual os brancos eram os patrões e os negros, os empregados. Até o casamento entre pessoas desses dois grupos era proibido.

A segregação acontecia em todos os setores da sociedade: escolas, hospitais, áreas residenciais e de lazer, transportes etc. Além disso, os serviços de pior qualidade eram destinados à maioria negra, enquanto todos os benefícios eram garantidos à minoria branca.

A Lei da Terra, por exemplo, destinava 87% do solo sul-africano para a população branca, não permitindo aos negros sua aquisição, mesmo que possuíssem recursos financeiros para tal. Pesquisas revelam que meses antes da derrocada do regime havia no país 750 mil piscinas, uma para cada duas famílias brancas, enquanto 10 milhões de famílias negras não dispunham de água potável em suas residências.

Mas a mesma a África do Sul que maculou sua história de forma irreversível também é berço de uma das maiores e mais respeitáveis figuras públicas do século XX: Nelson Mandela, carinhosamente apelidado “Madiba” por seus patrícios. De família modesta, Mandela nasceu no dia 18 de julho de 1918 no vilarejo de Mvezo (hoje parte da província de Cabo Oriental). Foi o primeiro da família a frequentar a escola, onde estudou cultura ocidental e garantiu uma vaga no curso de Direito da Universidade Forte Hare. Foi na universidade que ele se engajou na luta contra o apartheid, ingressando no Congresso Nacional Africano (CNA), principal grupo de contestação ao regime segregacionista.

Comprometido de início apenas com atos não violentos, Mandela e seus colegas passaram a recorrer às armas após o terrível Massacre de Sharpeville, em 1960, quando a polícia sul-africana atirou em pacíficos manifestantes negros que marchavam contra racismo, matando dezenas deles.

Em 1962, após meses na clandestinidade, Mandela foi detido e condenado a cinco anos de prisão por atividades subversivas. Em 1964, um novo julgamento estipulou sua prisão perpétua, a ser cumprida na penitenciária de Robben Island, localizada em uma ilha a 3 km da Cidade do Cabo, acompanhada de trabalhos forçados nas pedreiras da ilha. Mandela foi libertado do cárcere em 1990, de onde saiu em marcha lenta, com o braço direito erguido e o punho cerrado – o arquétipo de um poderoso gesto político.

Sua atuação pelo fim do apartheid prosseguiu com a eleição do presidente Frederik De Klerk, também comprometido com o fim do regime segregacionista. Seus esforços foram reconhecidos e, em 1993, ambos foram contemplados com o Prêmio Nobel da Paz. Em 1994 ocorreram as primeiras eleições multirraciais da África do Sul e Nelson Mandela foi oficialmente eleito presidente da República.

Em novembro de 2009, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu o dia 18 de julho como o Dia Internacional Nelson Mandela – Pela liberdade, justiça e democracia, data celebrada internacionalmente.

Durante 27 anos, Mandela viveu encarcerado por lutar contra a segregação racial. Ativista político incansável, figura carismática, ganhador de um Prêmio Nobel e primeiro presidente negro de seu país, ele jamais esmoreceu e sempre combateu por uma África do Sul mais justa e fraterna, conservando de forma irreversível, quaisquer que fossem os desafios enfrentados, uma dignidade que o tornou lendário. Faleceu no dia 5 de novembro de 2013. Seu maior legado é difícil de ser apontado. Sem vilipendiar a minoria de brancos, estabeleceu a igualdade entre estes e os negros. Enfrentou anos de cárcere e sofrimento pessoal em função de um bem coletivo.

No julgamento que o condenou, quando já estava na prisão, definiu sua luta da seguinte forma: “Eu celebrei a ideia de uma sociedade livre e democrática, na qual todas as pessoas vivam juntas em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal pelo qual espero viver e o qual espero alcançar. Mas, se for necessário, é um ideal pelo qual estou pronto para morrer”.

Os horrores do apartheid mancharam definitivamente a história da humanidade, mas os ensinamentos de Madiba vão ecoar por séculos a fio. Num mundo onde a cor da pele ainda é imperativa para classificar seres humanos e mutilar cidadanias, suas reflexões são cada vez mais atuais e indispensáveis.


*Luis Gustavo Reis é professor, editor de livros didáticos e colabora para Pragmatismo Político


Postado em Pragmatismo Político em 22/07/2016


















Ordem na senzala & progresso na Casa-Grande



Laurez Cerqueira

O governo provisório de Michel Temer é analógico, rodando um filme branco e preto de piratas pilhadores, que tentam a qualquer custo restaurar as pontes com o passado mais atrasado do Brasil e reestruturar as bases de poder oligárquico para os negócios com as metrópoles.

Depois do período colonial, as nações centrais mantiveram profundos vínculos econômico-financeiros com as nações periféricas por meio de suas corporações empresariais e, com seus liames políticos, impuseram a arquitetura do Estado e do poder.

Foi assim no Império e na República que resultou do golpe militar do Marechal Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto, Benjamim Constant, logo após a proibição da escravidão pela Lei Áurea.

Os militares não se aliaram aos republicanos abolicionistas, mas aos proprietários das terras, das minas, das empresas e dos bancos que se estabeleciam no país.

Desde então, as forças armadas e policiais brasileiras, por serem originárias historicamente dos reinados e mantidas por eles, para defenderem o patrimônio da Coroa e dos proprietários das terras e das empresas, têm se comportado, no Brasil, salvo raras exceções, como combatentes de inimigos internos, respaldadas por "Juízes de Pelourinho", autoridades forjadas na cultura colonial do açoite, da degola, do esquartejamento e salgamento de corpos de líderes populares. Sempre foi assim em Pindorama e a história tem os fatos emoldurados e pendurados na parede da memória.

Por ter manifestado sentimento nativista e desejo de independência do Brasil, Felipe dos Santos foi amarrado a uma junta de cavalos bravios e arrastado pelas ruas de Vila Rica, em Minas Gerais, até o corpo partir em pedaços. As partes foram salgadas e penduradas nas árvores da entrada da cidade. Tiradentes foi enforcado, esquartejado, as partes do corpo também salgadas e amarradas em postes de Vila Rica. A cabeça ficou exposta no paço da cidade.

Zumbi teve a cabeça cortada, levada ao governador de Pernambuco, Melo de Castro, e exposta no paço da cidade do Recife. Antônio Conselheiro, Lampião e muitos dos seus seguidores também tiveram as cabeças cortadas e expostas em praças públicas. Assim se comportam as forças armadas e policiais do Brasil, em nome da ordem e do progresso ditadas pelos de cima.

A violência policial-militar está entranhada nos corações e mentes das autoridades inimigas da democracia que servem a proprietários e rentistas. Nos períodos recentes das ditaduras civil-militares torturaram com requinte de crueldade, aniquilaram pessoas, fizeram-nas mortas-vivas, tamanha a violência dos facínoras, nos porões dos cárceres.

A Presidenta Dilma foi uma das vítimas da tortura. Na sessão da Câmara dos Deputados que a afastou da Presidência da República e deu posse a Michel Temer, o deputado Jair Bolsonaro homenageou o torturador Brilhante Ustra com seu voto a favor do golpe.

A República brasileira é fruto de um golpe militar, manobrado politicamente por gerentes de interesse estrangeiros. Por incrível que pareça, o Brasil não consegue se livrar da sombra do passado, do atraso organizado, e se firmar como uma República democrática, livre e soberana.

O lema dos golpistas da República colonial, inscrito na bandeira brasileira, "Ordem e Progresso", é o mesmo do golpista Michel Temer e seu governo provisório, que se adianta na tentativa de subtração de direitos conquistados pela população trabalhadora e na entrega a empresas multinacionais, de suas riquezas, como as jazidas de petróleo do pré-sal, a maior jóia de Pindorama, de empresas estatais estratégicas para o desenvolvimento, como as do setor elétrico e outros bens públicos.

Os golpes militares que se seguiram na história do Brasil, nos ciclos de vigência do Estado democrático de direito, foram dados por militares em parceria com gerentes de interesses externos, para realinhar o Brasil aos vínculos econômico-financeiros das nações centrais impostos pelas corporações empresariais.

Nos momentos de crise, como o que o mundo atravessa, com efeitos extremamente perversos sobre as economias mais dependentes e vulneráveis, as nações centrais buscam nas nações periféricas compensações de suas perdas.

O afastamento da Presidenta Dilma e a imposição de Michel Temer, com um golpe tramado pelo Congresso, setores do Judiciário e da mídia, é resultado de uma sofisticada conspiração que atende a essa finalidade.

Desde os tempos coloniais, as nações periféricas contam com categorias nativas, não proprietárias, de gerentes de interesses estrangeiros que vivem a pregar uma ideologia que só serve a eles e seus negócios.

São tipos que transitam na política e no mercado, e estão sempre participando de governos, principalmente no comando de áreas estratégicas, com as grandes corporações de mídia à disposição, onde formam a opinião pública e comandam a massa.

Não gostam de pagar impostos. Costumam ser sonegadores contumazes. Se dizem inimigos do Estado, mas sempre contam com a proteção e a salvação dos seus negócios pelo Estado.

Não têm compromisso com a cidadania, com as populações desfavorecidas. O negócio deles é negócio.

Bancam golpes, repassam para os trabalhadores os prejuízos decorrentes das crises e defendem com unhas e dentes as margens de lucro de suas empresas.

Para os golpistas de sempre, nada de política externa que proporcione autonomia, independência. Nada de falar grosso com as nações centrais

Para eles, "Ordem e Progresso " quer dizer: baixem as cabeças, trabalhem, produzam, consumam, não questionem, e deixem os destinos nas mãos deles. Deixem os piratas explorarem Pindorama.



Postado em Brasil 247 em 23/07/2016












Bandeira Brasileira atual e correta






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"