01 julho 2013

Por que propagamos notícias falsas



Alessandro Martins


Se há alguns anos era relativamente fácil localizar a origem de uma notícia falsa (quem não lembra do caso da Escola de Base?), hoje as responsabilidades desse tipo ficaram mais diluídas.

Mais e mais pessoas participam ativamente do processo de propagação de informações.

Existem alguns motivos que fazem com que propaguemos notícias falsas, participando ativamente de um processo que é mais de desinformação do que propriamente benéfico.

A notícia preenche algum tipo de expectativa pessoal e social: basear uma ação, qualquer uma, em expectativas em vez de baseá-la em fatos quase sempre é um erro. No entanto, uma boa parte das informações nas redes sociais se desloca assim.

Essa expectativa pode ser catastrófica em diferentes níveis: nível baixo (Xuxa processando o Twitter), nível médio (o risco de um vírus que apaga o HD), nível alto (uma determinada cidade foi atingida por um terremoto), não importa, participar da propagação de uma informação falsa como essa envolve sentimentos que vão do se mostrar revoltado com algo que aconteceu ao da solidariedade com os pais de uma criança supostamente raptada, se ficarmos no exemplo acima. Queremos nos envolver.

Essa expectativa pode ser benéfica em diferentes níveis: é o caso dos emails que dizem que você ganhará um celular ou outro produto se enviar a mensagem para determinado números de contatos (não é sorteio); ou do bebê que ganhará 5 centavos da AOL para cada email enviado. Mais uma vez queremos ajudar.

Não importa o tipo de expectativa: queremos ser um dos participantes do processo de preenchimento dessas expectativas por pura empatia. Um hoax (notícia falsa que se espalha na internet) que nos pede que ajudemos uma criança que está morrendo por conta de uma doença rara, por exemplo, conta com a compaixão existente em quase todos os seres humanos. A notícia falsa de que a Xuxa processaria o Twitter conta com a revolta que isso causaria em quase todos os usuários do Twitter (nesse caso específico, o julgamento da informação também foi prejudicado por informações passadas, outras celebridades já processaram outros serviços da internet, assim, formando um outro componente das expectativas).

Incapacidade de agir: ao mesmo tempo em que queremos nos sentir participantes do processo, empáticos e identificados com as expectativas de um grupo, não queremos tomar atitudes que nos tirem de nossa comodidade. Assim, é muito cômodo acreditar que estamos ajudando ou fazendo uma denúncia importante apenas apertando o botão de enviar, dando um RT ou mesmo assinando uma petição online.

Velocidade: é fácil apertar o botão de forward e enviar ou é fácil dar RT ou mesmo publicar um post em um blog. Rapidamente uma informação se espalha e, por presença massiva, ganha o status de verdade propagando-se ainda mais facilmente. Por conta dessa facilidade, atendemos todas as necessidades acima (empatia, preenchimento de expectativas, etc) com grande negligência.

Responsabilidade diluída: a responsabilidade é de todos, logo, aparentemente, não é de ninguém. Embora, sim ao propagar uma informação você se compromete eticamente com sua veracidade e com as consequências advindas de sua propagação. Você já deve ter recebido um email do tipo descrito acima com os dizeres: “não sei se é verdade, mas em todo caso estou mandando” ou “nunca se sabe”. Frases desse tipo me dizem “apague sem ler”, mas normalmente muitas pessoas acabam dizendo “deve ser verdade” ou “pode ser verdade”. E reinicia-se o processo de empatia e preenchimento de expectativas.

Como evitar

A receita é fácil, embora exija esforço por ser necessário sair de processos automáticos e adotar-se métodos mais analíticos. Embora esses métodos mais analíticos sejam simples, abandonar maus hábitos sempre exige determinação, constância, disciplina e atenção.

Enquanto não conseguir fazer isso sistematicamente, conte até 10 antes de dar RT no Twitter ou enviar pelo email.

Duvidar das informações que você recebe da internet, nos jornais, na tv, no rádio, não importa a fonte.

Verificar a real relevância do fato é mesmo importante, negativa ou positivamente, a divulgação de determinada informação? Para quem?

Checar, às vezes uma checagem no Google é suficiente, mas nem isso costuma-se fazer. No entanto, às vezes é melhor checar com os próprios envolvidos pela notícia ou esperar que alguém o faça.

Não perca a oportunidade de ficar quieto, se ausentar de certos processos de propagação da informação (ou desinformação) não vai tirar pedaço de ninguém.


Alessandro Martins

Trabalhei como jornalista em Curitiba de 1995 a 2008, quando fui demitido e passei a me dedicar a escrever apenas na internet, em blogs e mídias sociais. 

Postado no blog Livros e Afins em 28/06/2013


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...