01 outubro 2013

Vídeo que "mata" Hitler quando criança gera polêmica


vídeo comercial hitler alemanha


Redação Pragmatismo

Um vilarejo no fim do século 19. Uma Mercedes moderna se aproxima, observada com desconfiança pelos moradores. Quando duas meninas atravessam seu caminho, brincando, o automóvel freia automaticamente. Pouco depois, no entanto, um garoto corre diante dele. E desta vez ele não para – e o atropela.

A mãe sai correndo de casa, gritando “Adolf!”. A placa com o nome do lugarejo entra no quadro: Braunau am Inn – local de nascença de Adolf Hitler. A tela fica preta, e aparece o slogan do sistema automático de frenagem da Mercedes Benz: “Reconhece perigos antes de eles aparecerem”.

O videoclipe foi trabalho de formatura de alunos da Academia de Cinema do estado alemão de Baden-Württemberg. Há pouco mais de um mês no YouTube, ele já foi assistido mais de 3 milhões de vezes e tem suscitado debates acalorados.

A Mercedes-Benz fez questão de se distanciar imediatamente do filme. “Estamos convencidos de que é inapropriado usar a morte de uma pessoa, neste caso, de uma criança, num spot de publicidade, assim como usar conteúdos associados ao nacional-socialismo”, afirma Tobias Mueller, porta-voz da montadora.

O filme teve que ser retirado da internet, e a nova versão é acompanhada pela indicação de que o material não é autorizado pela Mercedes-Benz.

O clipe é tão bem feito, do ponto de vista técnico, que de início parece mesmo tratar-se de um spot de publicidade genuíno. Seu ponto de partida foi uma campanha para o sistema de frenagem automática da Mercedes. Com a ajuda de um radar e um computador, ele calcula a trajetória dos pedestres, parando se o motorista não reagir a tempo ao obstáculo. No entanto, o sistema não freia para o pequeno Adolf.

O filme mata Hitler quando criança, antes que ele desencadeie a pior catástrofe humana do século 20. É lícito matar crianças num comercial?

“É duro, eu sei. Mas a verdade é que nós fizemos um filme, não matamos nenhuma criança”, é a pragmática resposta do diretor Tobias Haase. Uma usuária do YouTube coloca a justificativa em outras palavras: “Isso é só ficção. Realmente triste é a verdade.”

Veja o vídeo:  (assista aqui)


Postado no site Pragmatismo Político em 01/10/2013


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...