30 março 2014

No trânsito, quem não reagiu está vivo


45i23io0uc 8itdkur8um file No trânsito, quem não reagiu está vivo




Marco Antonio Araujo

Muito antes da moda de amarrar gente em poste, o brasileiro já praticava um esporte urbano extremamente violento: briga de trânsito. É uma verdadeira paixão nacional. 

O caso da jovem que teve traumatismo facial e o maxilar quebrado em Alphaville é só mais um exemplo da guerra civil que nos faz tocaia em cada semáforo. Parcela significativa da população age como hooligans sobre quatro rodas.

São Paulo, em particular, é um looping interminável da cena da corrida de bigas do clássico Ben Hur. O cidadão na diligência ao lado é tratado como um inimigo a ser eliminado, de preferência com chicotadas e requintes de brutalidade. 

Eu considero esse comportamento selvagem apenas mais um exemplo da violência atávica, endêmica e natural do nosso povo. Definitivamente, não somos cordiais. Temos os criminosos mais sádicos do mundo — e os cidadãos mais egoístas e incivilizados do sistema solar. Por que seríamos gentis e educados exatamente quando usamos armaduras em formato de bólidos que pesam toneladas? 

Se fosse possível, os motoristas colocariam a culpa pela violência no trânsito nos políticos (esse álibi imperfeito para todas as nossas mazelas e indecências). Como não dá, o silêncio sobre o assunto é ensurdecedor. Mas a culpa é sempre do outro. 

Experimente dar passagem a um pedestre. O seu inimigo no carro de trás vai buzinar e gritar que você é um banana. Imediatamente, aquele ser altruísta que há segundos habitava sua alma será abduzido por um animal dotado de fúria e ódio mortais. 

Falta de educação? Com certeza, mas não só. Pessoas encasteladas no topo da cadeia alimentar estão sempre protagonizando cenas de faroeste caboclo em nossas ruas e avenidas. No quesito sangue no asfalto somos uma sociedade igualitária. Não por acaso, quando estamos envolvidos em um acidente de trânsito, a recomendação é a mesma que se dá às vítimas de assalto e sequestro: não reaja. 

Como diria um político paulista, quem não reagiu está vivo. 


Postado no blog O Provocador em 25/03/2014 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...