05 setembro 2014

Sobre filhos adotivos




João Carvalho Neto

É com grande frequência que recebo como pacientes pessoas que foram adotadas ou que têm filhos adotados. Isso tem feito com que algumas compreensões sobre o assunto venham se alargando, o que eu pretendo compartilhar com os amigos leitores nestas despretensiosas linhas.

Em primeiro lugar, quero dizer que vou apontar algumas dificuldades psicológicas presentes nos processos de adoção, o que não significa que eu rejeite a ideia da adoção. Muito pelo contrário, acho que é um ato de verdadeiro amor, mas que precisa ser vivenciado com os cuidados necessários e, mesmo assim, conflitos diversos, inter e intrapessoais, tenderão a se apresentar.

Uma pergunta que se torna inevitável é sobre contar a verdade e quando. Pessoalmente, acredito que a verdade será sempre e em qualquer situação o melhor caminho, até porque, especificamente nos casos de adoção, a chance dela vir à tona é muito grande. 

E, quanto mais criança, mais flexível é a mente para se adaptar a novas situações. Se a criança avança na idade, os conceitos preliminares sobre a família onde ela está inserida vão se enraizando. Conhecer a verdade depois disso será um golpe muito mais sofrido e passível de produzir abalos do que se essa verdade a acompanhasse desde que nasceu, para que a adaptação fosse natural.

É preciso levar em conta ainda que os laços viscerais com a mãe biológica permanecerão mesmo que nunca a tenha vista após o nascimento.

Pessoas que foram adotadas, estando em estado regressivo, algumas vezes conseguem perceber a angústia que vivenciaram no afastamento materno. Essa angústia pode permanecer por toda uma vida, sem que a pessoa identifique suas causas e sem conseguir nomeá-la. Por isso, não é incomum crianças adotadas terem comportamentos depressivos ou agressivos, como reações a um sofrimento interno.

A rejeição aos pais adotivos, ou a um deles, também é muito comum. Eu tenho percebido nisso uma rejeição à própria situação de ser adotado. Ou seja, a criança rejeita o fato de ter sido adotada naquilo que ela tem de mais próximo com este fato, que são seus pais adotivos.

É como se ela se lembrasse que é adotada quando se depara com seus pais adotivos; por isso pode tender a rejeitá-los, como símbolos de algo que ela não gostaria que tivesse acontecido.

Ao se adotar uma criança, é preciso também estar muito atento aos seus comportamentos iniciais na primeira infância.

Não que isso não seja importante também com filhos naturais, mas com os adotados ganha aspecto especial. Isto porque a herança biológica é um fato. Por essa herança são transmitidos modelos genéticos de formas corporais, fisiológicos e de comportamentos. 

No caso dos comportamentos observados desde a infância, eles irão definir atitudes educativas necessárias a fazer correções para a construção de uma personalidade saudável e socialmente inserida.

Outra questão também presente, agora no caso das crianças que não foram adotadas no berço, mas com idades mais avançadas, serão as experiências que elas passaram até chegar à nova família.

Muitas trazem sentimentos de abandono e solidão por terem ficado albergadas em orfanatos. Já vi pacientes que foram adotados nestas condições, e em estado regressivo, narrarem estes sentimentos durante suas vivências no orfanato, podendo permanecerem por toda uma vida, sendo causa de possíveis estados depressivos desde a infância. 

Existem crianças também que passam por dificuldades enquanto estão com a família biológica: falta de alimentação, falta de carinho, pais violentos ou usuários de drogas, promiscuidade sexual, falta de higiene.

Tudo isso vai deixando registros nas memórias profundas dessa criança, que podem até se perder enquanto lembranças, mas que não se perdem enquanto emoções vivenciadas.

Por mais sofrido que possa parecer, o melhor é que a criança possa falar sobre isso, como em um desabafo, sempre que desejar. Nunca deve ser encorajada a reprimir suas memórias ou seus sentimentos, sobre pena deles continuarem a agir sobre ela mesmo que sub-repticiamente.

É comum crianças que foram molestadas sexualmente por um pai biológico, mesmo sem o lembrar, rejeitar seu pai adotivo pela representação da figura que ele exerce, e que a remete aos sofrimentos com o pai biológico.

E, então, chega a adolescência e esta criança adotada começa a desejar conhecer seus pais biológicos, o que é muito natural e no que ela precisa ser apoiada naquilo que seja possível. 

Conhecer os pais biológicos costuma parecer uma ameaça para os pais adotivos, mas não o é. 

Criamos nossos filhos adotivos ou não, para a vida, para o mundo e qualquer sentimento de posse é prejudicial. Se os vínculos afetivos com os filhos adotados foram construídos solidamente, com base no carinho, compreensão e respeito, eles nunca se romperão. 

Bem... os amigos leitores devem estar pensando: "Adoção nunca mais!". Mas não é assim não. 

Como disse, adoção é um ato de verdadeiro amor, e precisa ser vivido em favor de tantas crianças que necessitam de amparo e proteção. 

Minha intenção neste texto foi justamente o contrário; foi de ajudar àqueles que o desejam, a realizar um processo de adoção com sabedoria e real benefício para todas as partes envolvidas. 

Hoje, temos livros e profissionais de diversas áreas que podem e devem ser buscados para alargar conhecimentos e encontrar estratégias educativas. Fazendo do jeito certo, no final, tudo vai acabar bem. 


                       João Carvalho Neto

Psicanalista, Psicopedagogo, Terapeuta Floral, Terapeuta Regressivo, Mestre em Psicanálise, autor da tese "Fatores que influenciam a aprendizagem antes da concepção", autor da tese "Estruturação palingenésica das neuroses", autor do Modelo Teórico para Psicanálise Transpessoal, autor dos livros "Psicanálise da alma" e "Casos de um divã transpessoal.



Postado no site Somos Todos Um


Cantor Juca Chaves e suas filhas do coração Maria Clara e Maria Morena

Elba Ramalho e suas filhas
Cantora Elba Ramalho e suas três filhas do coração Maria Clara, Maria Esperança e Maria Paula

Apresentadora Astrid Fontenelle e seu filho do coração Gabriel

Atriz Meg Ryan com a filha do coração Daisy

Atriz Sandra Bullock e seu filho do coração Louis

Atriz Drica Moraes e seu filho do coração Matheus 

Cantora Gal Costa e seu filho do coração Gabriel



Ator Marcello Anthony é pai de cinco filhos. Dois deles, Stephanie e Francisco, foram adotados durante seu casamento com a atriz Mônica Torres. Além deles, ele cria os dois meninos de sua atual esposa, Carolina Villar, com quem também teve o pequeno Lorenzo, de 2 anos.

Atriz Michelle Pfeiffer e sua filha do coração Claudia Rose

 
Tom Cruise e seu filho do coração Connor

Atriz Charlize Theron e seu filho do coração Jackson

Atriz Sharon Stone e seus três filhos do coração Roan, Laird e Quinn

Sharon Stone (© Getty)
Atriz Jamie Lee Curtis e seus filhos do coração Thomas e Annie

Apresentadora Glória Maria e suas filhas do coração Maria e Laura

Atriz Maria Padilha e seu filho do coração Manoel

Atriz Kristin Davis e sua filha do coração Gemma

Mariska Hargitay (Foto: SVU)
Atriz Mariska Hargitay com seu filho August e seus filhos do coração Amaya e Andrew 


Angelina Jolie e Brad Pitt e seus filhos 




Nota 

Deixo minha homenagem a todas as mamães e papais não tão conhecidos ou famosos que, também, entregaram seus corações a crianças que se tornaram seus filhos muito amados! 

Conheço duas famílias lindas, na cidade de Santa Maria (RS), que foram formadas por opção do Coração. 





Acolher

Eu olho a chuva que vem lá do céu

Fico pensando se vai me molhar

Tantas crianças sem nenhum lugar

E a chuva cai!

O lar é bênção pra quem vai chegar 

Um bom lugar para se abrigar 

Tantas crianças por aí sem lar 

E a chuva cai! 

É preciso então, o Sol chegar 

É preciso então, agasalhar 

Toda criança quer um Lar 

Quer amar, amar, amar... 

Se envolver nos braços teus 

Sorrir, sentir o amor de Deus enfim 

Viver, pra ser feliz e entender 

Que um dia O sol pra ela vai nascer 

Amar... 

Se envolver nos braços teus 

Sorrir, sentir o amor de Deus enfim 

Viver, pra ser feliz e entender 

Que um dia O sol pra ela vai nascer 

Eu olho a chuva que vem lá do céu 

Tantas crianças sem nenhum lugar 

O sol pra elas também vai nascer 

Um lar, um Sol, um céu 

Um lar, um Sol, recomeçar 

Acolher! 



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"