15 agosto 2015

Eu não tenho medo de morrer, tenho pena



Lara Brenner


De repente, não mais que de repente, você, que ontem abraçava um grande amigo, agora abraça as lembranças que dele levará. Não mais que de repente, entende que aquele corpo quente e inquieto morará por algum tempo em um dolorido campo destinado à saudade em seu coração, até que se transforme em doces e prazerosas memórias às quais você por vezes recorrerá em ode saudosista à vida que ainda lhe pulsa. Aquela alma se foi e deixou saudade, perguntas e você.

Você ficou. Você ficou e agora compreende que caminha para o mesmo destino. De repente, a consciência de sua existência limitada como ser humano bate feito o martelo do juízo final. E agora?

O que pensou aquele homem em seus dias terminais, ao mirar a lanterna para o caminho que percorreu? De que se orgulhou? Que arrependimentos teve? Pelo que chorou? Valeu a pena? No que pensam todas as pessoas quando sabem que estão prestes a morrer?

Cada um guarda em si um misterioso compilado de experiências, verdades, sentimentos e idiossincrasias. Somos únicos e certamente nos banhamos em águas singulares ao longo da vida. No entanto, um cordão umbilical nos liga por duas certezas: a morte e as escolhas. Talvez seja esse o motivo pelo qual os pensamentos finais encontrem pontos assustadoramente comuns.

Pensando nisso, alguém decidiu mergulhar no mundo dos semimortos para trazer vida aos que ainda dispõem de tempo. A enfermeira australiana Bronnie Ware passou anos dedicando-se a pacientes em estágio terminal, especificamente àqueles que ainda tinham entre três e doze semanas de vida, e decidiu compartilhar sua experiência com o resto do mundo. O resultado foi um livro intitulado, em tradução livre, “Os Cinco Maiores Arrependimentos dos que Estão Morrendo”, cujo título já denuncia o conteúdo imorredouro.

A breve lista se resume a: 1. “Eu queria ter vivido a vida que desejava, não aquela que os outros esperavam de mim”; 2. “Eu queria não ter trabalhado tanto”; 3. “Eu queria ter tido coragem de expressar os meus sentimentos”; 4. “Eu queria ter estado mais perto dos meus amigos”; 5. “Eu queria ter me feito mais feliz.”

Cinco constatações que convergem para o mesmo ponto. No fim das contas, todos os arrependimentos narram a dor de não se permitir.

É estranho isso. Por alguma razão, acreditamos que a melhor vida a ser vivida vem de fora. Dinheiro, trabalho, reconhecimento, equilíbrio, cultura, casa com cerca branca, filhos exemplares moldados para o sucesso. Família, propriedade e tradição. Errado? Claro que não. Mas será que essa fórmula social serve para todos nós?

Nosso peito é preenchido por um coração e comunicador, que infalivelmente se manifesta quando algo está fora do lugar. “Eu queria ter me feito mais feliz” é a sentença do autossacrifício contínuo, da vida abafada, do grito repreendido, do “basta” engolido, do “viva” reprimido, do “não” jamais dito e do “sim” sufocado. 

Os cinco maiores arrependimentos são frutos de um olhar para dentro feito no tardar da hora, quando já não era mais possível se permitir.

Compreender a própria alma exige tempo, disposição e, acima de tudo, aceitação. Talvez aceitar-se seja o primeiro passo para uma vida que, entre acertos e tropeços, termine acalentada pela certeza da plenitude.

Quando perguntada sobre a maior lição de vida aprendida com os que estão à beira da morte, a enfermeira disse apenas:
 “Viva uma vida boa e amável, mas sempre sendo forte e permanecendo fiel ao seu próprio coração acima de tudo. Sua vida é sua própria escolha. Sua felicidade é sua própria escolha. E no final da sua vida, quando olhar para trás, isso se tornará ainda mais evidente”.
Que se possa viver a vida para morrer em paz e que, ao final de tudo, seja-se genuíno, bondoso e fiel. Sobretudo a si mesmo. E que, no silêncio que precede a ida, a morte possa despertar orgulho pelo incrível legado que se deixou, como diria Chico Anysio, “eu não tenho medo de morrer, tenho pena”.


Postado no Bula


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...