15 agosto 2015

Quando o bom senso falha junto com o mau uso do poder que segura a caneta ! Estudante fez sexo com uma garota que mentiu a idade e teve a vida arruinada


hot-or-not-logo


abc_sexoffender19_le_150730_16x9_992
Zachery Anderson


Pedro Nogueira


Zachery Anderson é um estudante de 19 anos que, como tantos caras de sua idade, baixou o aplicativo “Hot or Not” (semelhante ao Tinder) para conhecer novas mulheres.

Ele encontrou uma garota. Eles fizeram sexo. E sua vida foi arruinada por isso.

Tudo por causa de uma mentira: ela disse que tinha 17 anos enquanto, na verdade, tinha 14. Isso transformou o encontro deles num crime sexual.

Zachery foi preso, julgado e condenado.

A própria garota e sua mãe ficaram ao lado de Zachery no julgamento. Elas disseram ao juiz que ele não tinha culpa do que aconteceu — e pediram que as as acusações fossem abandonadas.

“Desculpa que menti sobre minha idade”, ela escreveu numa carta para Zachery. “Isso me mata diariamente, saber que você está no inferno e eu não. Eu mereço estar com problemas, não você.”

Sua mãe também fez um apelo: “Não quero que Zachery seja condenado como criminoso sexual porque ele realmente não é.” 

Uma ironia, aliás, é que tudo começou quando a mãe ligou para a polícia no dia em que os dois se encontraram, preocupada com o paradeiro da filha, porque ela sofria de epilepsia e podia estar sem o remédio.

Mas o juiz Dennis Wiley não deu ouvidos às súplicas e cravou uma sentença, para dizer o mínimo, surreal:
Você foi à internet pescando mulheres para conhecer e fazer sexo. Isso parece fazer parte da nossa cultura agora: conhecer, sair, transar e dar adeus. É um comportamento completamente inapropriado. Não há desculpa alguma para fazer isso.
O promotor do caso, Jerry Vigansky, concordou. “Essa geração acha que é ok usar a internet para conhecer alguém e rapidamente ir para a cama pela gratificação sexual”, disse. “Não é uma boa mensagem para passar à comunidade.”

E, assim, por não compartilhar dos ideais “puritanos” do juiz e do promotor de seu caso, Zachery foi sentenciado a 90 dias de prisão, 5 anos de condicional e 25 anos fichado como criminoso sexual.

Se você acha que isso significa apenas um nome na lista, saiba que as consequências são brutais.

Para começo de conversa, ele está proibido de ter um smartphone ou usar a internet pelos próximos 5 anos — o que simplesmente matou sua atual carreira, na ciência da computação.

Além disso Zachery não pode conversar com nenhum menor de idade, exceto seus irmãos; está proibido de entrar em estabelecimentos que vendem álcool; e precisa voltar para casa sempre antes das 8 da noite.

Ele também foi obrigado a deixar a casa dos pais, pois ela ficava a 800 metros de uma rampa de barcos, e Zachery não pode chegar a menos de 1 quilômetro de distância de parques e áreas públicas em geral. Isso tirou dele seu hobbie predileto: andar de skate.

Até 2040, esta será a rotina de Zachery, a não ser que os apelos de seus pais sejam ouvidos. Além de recorrer judicialmente à decisão do juiz, eles lançaram uma petição online para rever a sentença, que já tem mais de 200 mil apoiadores.

Zachery teve sua vida arruinada porque o suposto homem responsável por levar justiça a ele, o juiz Dennis Wiley, considerou seu erro inadmissível e imperdoável (mesmo sabendo que Zachery era jovem, inocente e fora enganado) e achou imprópria a ideia dele conhecer mulheres pela internet (como se fosse muito diferente de fazer isso numa festa), deixando um julgamento pessoal e a inflexibilidade da lei falarem mais alto do que o bom senso.

Se isso é o que significa justiça em nosso mundo, puta merda, então estamos com um problema sério.


Postado no Diário do Centro do Mundo em 14/08/2015


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...